--> Alta de covid-19 no mundo liga alerta no Brasil, onde cenário já é de crescimento | Agência DC - Donato Costa | Portal de notícias da Bahia



Alta de covid-19 no mundo liga alerta no Brasil, onde cenário já é de crescimento

Compartilhe:

Desde setembro, a subida da curva de pessoas infectadas pela covid-19 ligou o alerta de autoridades entre Europa, Ásia e Estados Unidos. Aos...

Desde setembro, a subida da curva de pessoas infectadas pela covid-19 ligou o alerta de autoridades entre Europa, Ásia e Estados Unidos. Aos milhares, os casos evidenciaram o óbvio: a pandemia não acabou. A realidade epidemiológica registrada nesses territórios preocupa, se for refletida no Brasil, pois aqui ainda seria somada a outros fatores: a falta de estratégia vacinal para 2023, a baixa procura pelas doses de reforço e o desconhecimento fidedigno sobre a dimensão das infecções no país.


Semanalmente, a Organização Mundial de Saúde (OMS) divulga um relatório sobre a covid-19 pelo mundo. No documento mais recente, divulgado na quarta-feira (2), o Brasil ocupa a quarta posição na lista dos países com mais mortes pela doença, entre 24 e 30 de outubro. Foram 553 mortos e um crescimento de 22% nos casos da doença. Na semana anterior, o crescimento tinha sido de 9%. 


O primeiro do ranking foram os Estados Unidos, com 3.187 óbitos. Mas foi a região europeia que se destacou no número de casos: em sete dias, foram um milhão deles. Dos 61 países europeus, 25% relatam aumento de casos – o maior deles, no Reino Unido, 285 mil casos em sete dias. 


A OMS mostra a predominância de uma variante. A BA.5, descendente da variante Ômicron, mapeada por aqui em dezembro de 2021, representava 78,8% das amostras analisadas.


Em 12 de outubro, a OMS e o Centro de Controle e Prevenção de Doenças da Europa (ECDC) emitiram uma declaração conjunta: “Não estamos na mesma situação que há um ano, [mas] vemos os indicadores subirem de novo, o que sugere o início de uma nova onda de infecções”.


No Hemisfério Norte, a preocupação cresce diante da proximidade do inverno, sinônimo de alta temporada turística e aumento das infecções pela influenza. Já no Brasil, embora as estatísticas tenham apontado uma tendência de crescimento na quantidade de infectados, a situação é considerada estável. 


Isso não significa a inexistência de preocupação aqui no país, tanto porque a suposta calmaria não tem sido utilizada para refletir possibilidades para um novo cenário epidemiológico, quanto porque, desde o início da pandemia, ondas de casos em outros países (como acontece agora) atingiram o Brasil. 


A onda silenciosa: aumento de casos começou em julho

Na recente onda de infecções pela covid-19 na Europa, Brenda Borges, 21 anos, foi diagnostica com a doença pela primeira vez  há três meses. Desde janeiro, ela se testou dez vezes. O estágio, organização voltada para estudantes, oferece a testagem gratuitamente.


“Mas poucas pessoas estão comentando sobre covid ultimamente. Ninguém usa máscara. Às vezes, só as pessoas mais velhas”, conta a baiana, estudante de Línguas e Relações Internacionais na Universidade do Porto, em Portugal.


Diagnosticados com a doença, “alguns amigos” dela  não tiveram a possibilidade de faltar ao trabalho. “Acho que meu estágio é um ponto fora da curva”, opina.  


Essa indiferença diante do avanço das contaminações faz parte da receita para o aumento de casos, ainda composta por ingredientes como os escapes imunológicos, ou seja, casos em que as vacinas existentes não impedem a contaminação. No Reino Unido, já existe vacina específica contra a Ômicron. Não é o caso brasileiro.  


“A pandemia só saiu da agenda política e midiática, mas não acabou. A Alemanha, olhei antes de conversamos, há duas semanas estava registrando 160 mil casos por dia, depois do Ocktober Fest [festa que leva ao país 5 milhões de visitantes]”, afirma Miguel Nicolelis, neurocientista, médico e professor que  analisa os dados da pandemia desde fevereiro de 2020.  


No Brasil, explica Nicolelis, acabamos de enfrentar uma onda de contaminações “silenciosa”. O adjetivo cabe por, ao menos, três razões: os casos não resultaram em um aumento das hospitalizações, devido ao sucesso da vacinação, foram registrados em período eleitoral e, consequentemente, o debate público não pautou o assunto. 


Essa onda começou em julho, quando os indicadores relembraram, em certos momentos, épocas graves da pandemia, no quesito quantidade de casos. No dia 7 de julho, por exemplo, 19,5 mil casos de covid-19 estavam ativos na Bahia, segundo a Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab). Em 7 de fevereiro, quando a Ômicron se fixava no Brasil, o número chegou a ser menor – 15,6 mil. 


As variantes, mutações que ocorrem em vírus em, em circulação no mundo se mostram se mais leves, ligadas a vias aéreas. As principais delas, no Brasil, foram a Gama, que provocou a maior crise sanitária da história brasileira, de acordo com a OMS, Delta e a Ômicron. 


“Apesar de estarem gerando casos mais leves, eu sempre disse que essa era uma doença para não pegar. Há milhões de pessoas com covid crônica [quando sequelas e sintomas da doença se prolongam]”, acrescenta Nicolelis. 


A mudança de cenários epidemiológicos pelo país tem levado a uma discussão sobre o retorno de medidas protetivas, como obrigatoriedade de uso de máscaras. 


Enquanto, no último dia 30 de outubro, brasileiro iam às urnas, trabalhadores eram mantidos sob isolamento compulsório em uma fábrica chinesa. Depois de um surto de covid-19, funcionários da Foxcoon, uma das maiores fornecedoras da Apple no mundo, foram confinados dentro do complexo. Na última terça (1º), viralizaram nas redes sociais cenas em que os confinados fogem em massa dos seus locais de trabalho. 


É que, na China, impera a política “Covid zero”, com testagem em massa da doença e isolamento obrigatório dos diagnosticados. No caso da fábrica em Zhengzhou, isso pode reduzir a produção do Iphone em  30%, segundo a mídia estatal chinesa, justamente na época em que o aparelho é mais cobiçado – as festas de fins de ano.


A situação na Bahia: há crescimento, mas cenário 'estável'

Na Bahia, onde a única variante em circulação são duas linhagens da Ômicron, nenhuma discussão indica a possibilidade de endurecimento das medidas de proteção. Embora desde o início de outubro até a última quinta (3), o número de casos ativos tenha crescido 44%, de 667 para 963, a taxa de crescimento diária de casos é considerada estável – nos últimas 48 anos, subiu 0,02%.


A taxa de ocupação das Unidades de Terapia Intensiva (UTI) está em 11%; a pediátrica, 35%. A maior preocupação são os índices de vacinação. Hoje, 46% da população não recebeu as duas doses. Ao menos oito milhões de residentes na Bahia estão com o esquema vacinal incompleto ou sequer começaram. Todos os dados acima são da Sesab. 


“Consideramos esse número [de imunizados com as doses de reforço] baixo. Hoje mesmo fizemos uma capacitação com os municípios, discutimos sobre a vacina, a gente precisa evoluir, avançar”, avalia Márcia São Pedro, diretora da vigilância epidemiológica do estado. 


 As equipes de saúde se atem a dois tipos de variantes: de interesse, quando o registro de novas mutações em outros lugares acende o alerta local, e de preocupação, quando a variante já circula pelo território. Por ora, a variante BA.5, predominante no mundo, é de “interesse” para a Bahia.   


No estado de São Paulo, uma reportagem do Jornal Folha de S. Paulo, da última quinta, mostrou que o número de internados por covid cresceu 46% em duas semanas. “[Na Bahia], a doença tem um quadro muito parecido com uma gripe e não estamos vendo agravamento, aumento de internamento, nem enfermaria, nem na UTI”, afirma Fábio Amorim, infectologista no Instituto Couto Maia.


Realização de testes caiu para 568 por mês


Para o OMS, os dados divulgados sobre a pandemia recentemente podem sequer refletir a realidade, já que a política de monitoramento varia de acordo com o país e o índice de testagem está em baixa. 


Em janeiro, as farmácias baianas realizaram 64.473 mil testes – o que inclui testes rápidos, antígeno e PCR, não autotestes. O estado vivia o pico de infecções pela Ômicron. Em nove meses, o número de testes caiu para 568, calculou a Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma). A taxa de positivo ficou em torno de 3%. 


No Brasil, 43,2 mil testes foram aplicados nas farmácias. Nacionalmente, o número de positivos cresceu: uma em cada dez testados estava doente. No mês anterior, eram 7%. A Abrafarma não comenta a oscilação, mas revisará suas previsões de estoque para absorver um possível aumento de demanda. 


A redução da procura por testes reflete, claro, o arrefecimento da pandemia. Mas também pode indicar o esquecimento de medidas para controlar o vírus.


No fim de outubro, a atriz Tatá Werneck chegou a causar estranhamento ao submeter os convidados da festa de aniversário da filha, Clara, a testes de covid-19. Na idade dela, 3 anos, o esquema vacinal está incompleto. O porcentual de crianças da idade de Clara que, na Bahia, foram vacinadas com a primeira dose é de 14%. “Enquanto ela não tiver as duas doses, tomo todos os cuidados”, afirmou Tata no Instagram. 


É o que a professora Celeste Oliveira, 63 anos, faz, porque ainda se preocupa com o avanço da covid-19 e a possibilidade de retornar às restrições mais duras da pandemia, como o isolamento.


“Quando a garganta arranha, já ligamos o pisca alerta. Sempre estamos nos informando. Muitas pessoas estão bem negligentes, o que colabora para que isso não acabe”, conta. Em março, ela sentiu sintomas gripas e achou por bem ser testada. O exame PCR deu negativo, como em todas as outras vezes. 


Na maioria dos espaços que circula, ela diz se sentir como um “extraterrestre”. O motivo é o uso da máscara em ambientes fechados. É quase sempre a única com boca e nariz cobertos. Desde abril, é facultativo o uso de máscaras em ambientes fechados na Bahia. Mas na casa de Celeste algumas restrições permanecem. 


O Correio 24h

Comentários

Nome

ACM NETO,3,ANTÔNIO GONÇALVES,2,BAHIA,153,BRASIL,126,CALDEIRÃO GRANDE,1,CAMPO FORMOSO,2,CAPIM GROSSO,1,CURIOSIDADES,118,DESTAQUES,291,ENEM,1,ENTRETENIMENTO,83,ESPORTE,139,FAMOSOS,4,FILADÉLFIA,9,ITIÚBA,2,JACOBINA,2,JAGUARARI,1,MUNDO,2,MUNICÍPIOS,84,NOTÍCIAS,567,PINDOBAÇU,3,PODC PODCAST,16,POLICIAL,354,POLÍTICA,2,PONTO NOVO,331,PUBLICIDADE,7,REGIÃO,4,SENHOR DO BONFIM,6,VARIEDADES,1,VÍDEOS,134,
ltr
item
Agência DC - Donato Costa | Portal de notícias da Bahia: Alta de covid-19 no mundo liga alerta no Brasil, onde cenário já é de crescimento
Alta de covid-19 no mundo liga alerta no Brasil, onde cenário já é de crescimento
https://blogger.googleusercontent.com/img/b/R29vZ2xl/AVvXsEjdslUYthdFJv3S2TgfT5_i8yihoMhmY77g3Ddq2i0KwcpMFHo4jquSVBSsRiFra7eTgZzukL_dJeG_JyXh71ccUeF7vrogxf15LDzxqeH8-iH9kWdGb6DFy5xT646PYcBXYZ7swNRoe7eaQmDvnwm-TA1BFD9bO6dbtjtYxz3PBCio-LR1w3-kqzW4Uw/s16000/csm_Foto_representativa_COVID-19_c79bdc3ef3.jpeg
https://blogger.googleusercontent.com/img/b/R29vZ2xl/AVvXsEjdslUYthdFJv3S2TgfT5_i8yihoMhmY77g3Ddq2i0KwcpMFHo4jquSVBSsRiFra7eTgZzukL_dJeG_JyXh71ccUeF7vrogxf15LDzxqeH8-iH9kWdGb6DFy5xT646PYcBXYZ7swNRoe7eaQmDvnwm-TA1BFD9bO6dbtjtYxz3PBCio-LR1w3-kqzW4Uw/s72-c/csm_Foto_representativa_COVID-19_c79bdc3ef3.jpeg
Agência DC - Donato Costa | Portal de notícias da Bahia
https://www.agenciadc.net/2022/11/alta-de-covid-19-no-mundo-liga-alerta.html
https://www.agenciadc.net/
https://www.agenciadc.net/
https://www.agenciadc.net/2022/11/alta-de-covid-19-no-mundo-liga-alerta.html
true
5764102596251995075
UTF-8
Carregar todas as matérias Nenhum resultado encontrado. Ver mais Leia mais Responder Cancelar resposta Apagar Por Início Páginas Matérias Ver todas Veja também Tópico Arquivo Buscar Todas as matérias Nenhum resultado encontrado para sua busca Voltar ao início Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Agora mesmo Há 1 minuto Há $$1$$ minutos Há 1 hora Há $$1$$ horas Ontem Há $$1$$ dias Há $$1$$ semanas Há mais de 5 semanas Seguidores Siga ESTE CONTEÚDO PREMIUM ESTÁ BLOQUEADO PASSO 1: Compartilhe em uma rede social PASSO 2: Clique no link da sua rede social Copiar todo o código Selecionar todo o código Todos os códigos foram copiados para a área de transferência Não é possível copiar os códigos / textos, por favor, pressione [CTRL] + [C] (ou CMD + C com Mac) para copiar Table of Content