--> Com mais de 1 milhão sem trabalho, Bahia lidera ranking do desemprego | Agência DC - Donato Costa | Portal de notícias da Bahia



Com mais de 1 milhão sem trabalho, Bahia lidera ranking do desemprego

Compartilhe:

Tiago Caldas/Arquivo CORREIO Adriele Silva, 27 anos, mora em Santo Antônio de Jesus, no Recôncavo. Está em busca de emprego há pouco mais de...

Tiago Caldas/Arquivo CORREIO

Adriele Silva, 27 anos, mora em Santo Antônio de Jesus, no Recôncavo. Está em busca de emprego há pouco mais de um ano. Ela tem ensino médio incompleto. Sua renda atual vem especialmente do auxílio do governo federal, que recebe por conta da filha de 9 anos, além da ajuda de familiares e diárias que esporadicamente consegue fazer como garçonete em bares da cidade. 


As angústias e incertezas vividas diariamente pela jovem por conta do desemprego também estão presentes no dia-a-dia de 15,5% da população baiana em idade ativa – 1,1 milhão de pessoas –, de acordo com o último levantamento da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNADC/IBGE), referente ao segundo trimestre de 2022. 


Entre 2012, quando a pesquisa começou a ser realizada, e 2021, o estado perdeu quase 200 mil postos de trabalho. No mesmo período, a taxa de desemprego passou de 10,8% da população para 17,3% em 2021. Em final de 2020, o desemprego chegou 20,7% do total, o que representava que um em cada cinco trabalhadores estava fora do mercado. 


Os dados mais recentes revelam que o estado se manteve no topo do ranking de pessoas desocupadas, posição em que permanece initerruptamente desde o 2º trimestre de 2019. Antes disso, segundo série histórica da mesma PNADC, iniciada no 1º trimestre 2012, a Bahia esteve sempre se revezando no ranking do desemprego com os estados do Amapá e do Rio Grande do Norte. 


Ranking do desemprego        


Taxa de desemprego nos estados brasileiros  (em %)


Média nacional    11,1


Santa Catarina    4,3

Mato Grosso    5,9

Mato Grosso do Sul    6,4

Rondônia    6,8

Paraná    7

Rio Grande do Sul    8,1

Goiás    8,7

Roraima    9,2

Minas Gerais    9,4

Tocantins    9,6

Espírito Santo    9,8

Pará    11

Ceará    11,1

São Paulo    11,1

Piauí    11,9

Distrito Federal    12,1

Rio Grande do Norte    12,7

Paraíba    13

Amazonas    13,1

Acre    13,2

Maranhão    13,4

Rio de Janeiro    14,2

Alagoas    14,5

Sergipe    14,5

Pernambuco    17,1

Bahia    17,3

Amapá    17,5

Fonte: IBGE - Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua trimestral    


O Drama da recolocação profissional também tem sido vivido por Edelcy Leal, 34, pós-graduada em Relações Públicas. Ela está desempregada desde setembro de 2021. Vivia em Camaçari, mas em abril deste ano, após meses de procura por oportunidades sem sucesso, decidiu voltar para Amargosa, sua cidade Natal. Desde então, ela e a filha de 2 anos tem sobrevivido com apoio da família, principalmente dos pais. 


Na cidade, Edelcy tem buscado vaga de trabalho no comércio, e novamente tem encontrado dificuldade. A sua qualificação profissional, inclusive, tem sido o principal impeditivo. 



Edelcy Leal está em busca de uma nova oportunidade profissional (Foto: Divulgação)


A taxa atual de desemprego na Bahia é maior que a média nacional observada de maio a junho deste ano, quando o país recuou de 11,1% para 9,3%. Nos dez últimos anos, mesmo em 2014, quando o Brasil sustentou por nove meses – de abril a dezembro – consecutivos taxas abaixo de 7%, a Bahia figurou entre as mais altas no cenário nacional: 10,2%, 9,8% e 9,8% nos segundo, terceiro e quarto trimestre, respectivamente. 


Isoladamente, a maior taxa local na última década foi observada no terceiro trimestre de 2020, durante a primeira onda da pandemia da covid-19 – julho a setembro -, com 21,1%, de acordo com a PNADC. A média nacional à época foi de 14,9%. A menor, se observado o mesmo período, foi de 9,1% de desocupação, no 4º trimestre de 2013, quando o Brasil tinha 6,3%. 


Evolução do desemprego na Bahia    

(em %)

2012    10,8

2013    9,1

2014    9,8

2015    12,4

2016    16,8

2017    15,1

2018    17,6

2019    16,5

2020    20,7

2021    17,3

Fonte: IBGE - Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua trimestral


Apesar de permanecer no topo, o resultado mais recente da pesquisa revela uma leve melhora no cenário local em relação ao trimestre anterior – janeiro a março –, quando 17,6% da população ativa amargava o desemprego. Naquele contexto estava Tatiana Nery, 46. Moradora de Camaçari, Tatiana foi uma das milhares de trabalhadoras e trabalhadores que perderam seus empregos após a saída da montadora Ford do Brasil. Na Bahia, de acordo com o Sindicato dos Metalúrgicos, o fechamento da unidade de Camaçari provocou um apagão de aproximadamente 13 mil postos de trabalho – diretos e indiretos – na Região Metropolitana de Salvador (RMS). 


Demitida em junho de 2021, Tatiana levou 10 meses para encontrar uma nova oportunidade. Durante o período, para garantir o sustento da casa e, principalmente do filho, à época com 15 anos, investiu a indenização, que recebeu pelos 19 anos de trabalho, na aquisição de um carro e passou a atuar como motorista por aplicativo. “Foi a solução que me apareceu na época. Estava tudo muito difícil. Eu estava muito preocupada”, relembra. Para piorar a situação de Tatiana, o acordo feito entre o sindicato e a empresa não previu o pagamento do seguro desemprego. “Era tudo com aquele dinheiro que a gente recebeu”.  


Em maio deste ano, Tatiana voltou ao trabalho, mas fora da sua área de capacitação e com uma remuneração mais baixa. Ocupa atualmente uma vaga temporária, via Regime Especial de Direito Administrativo (Reda), como auxiliar de disciplina em uma escola estadual do município, onde recebe mensalmente um salário mínimo. A convivência com o desemprego, porém, não chegou ao fim. Entre a demissão da Ford e a atual retomada, a auxiliar escolar perdeu os pais, e precisou receber em sua casa, na qual vive de aluguel, o irmão André Nery, 50, também desempregado. Para ajudar nas despesas da casa, Nery agora utiliza o carro comprado pela irmã e roda como motorista por aplicativo. 



Os irmãos André e Tatiana usaram o carro como fonte de renda (Foto: Divulgação)

Entre 2012 e 2022, a PNADC também avaliou trimestralmente as taxas de ocupação na Bahia. Os dados demonstram que, com pequenas oscilações para mais ou para menos, a oferta de vagas nos mais diversos setores demonstra mudanças significativas. No quadro geral, considerando atividades como a indústria, agropecuária, comércio, administração pública, serviço doméstico e outros, no início de 2012, o estado dispunha de aproximadamente 6,08 milhões de vagas ocupadas. No último trimestre, a ocupação total medida pelo IBGE foi aproximadamente de 6,03 milhões. 


Segundo Diana Gonzaga, professora da Escola de Economia da UFBA e pesquisadora da Economia do Trabalho, o fenômeno que se percebe na Bahia é considerado estrutural, pois se estende ao longo do tempo, e não conjuntural, resultante de um conjunto específico de condições econômicas pontual. A necessidade, então, é equilibrar a balança que tem, de um lado, a concentração econômica das atividades produtivas do país nas regiões Sul e Sudeste, especialmente em São Paulo, e do outro, os desafios das instâncias governamentais, em caráter estadual e nacional, para atrair investimentos às demais regiões. 


“As soluções também precisam ser estruturais, que envolvem mudar a estrutura produtiva do estado, mudar a capacidade de absorver seus trabalhadores e garantir investimentos. Isso envolve planejamento de longo prazo”, enumera. 


Na Bahia, dos 417 município, 278 estão localizados na região do semiárido, enquanto a maior parte dos empregos formais estão concentrados na capital e na RMS. Desta perspectiva, Gonzaga destaca também a necessidade de redução das desigualdades internas, de forma a criar empregos nas regiões e evitar o êxodo intraestadual. 


“É necessário desenvolvimento de políticas de incentivo para que as pessoas não saiam do seu município de nascimento. Investigar quais são as potencialidades econômicas de cada estado [no caso do Executivo nacional], de cada região. Observar as potencialidades locais, os setores mais competitivos, e como estimular esses setores. Buscar experiências que tenham dado certo de convivência com a seca e tentar estimular a produção de renda nessa região”, exemplifica. 


Infraestrutura, mão de obra e tributos


O investimento em infraestrutura é um ponto central para estudiosos e para investidores dos mais diversos setores produtivos quando se pensa a possibilidade de formatação de um cenário atrativo para grandes investimentos. 


“Infraestrutura de transporte, melhorar as estradas, ferrovias, portos, além de energia, telecomunicações, mas também de capital humano. Qualidade do trabalhador. É preciso pensar em aumentar a qualidade da educação básica, aumentar a proporção da força de trabalho potencial com maior escolaridade, que aqui ainda possui escolaridade muito baixa”, avalia Gonzaga. 


Os pontos citados pela professora também constam em um extenso documento entregue por entidades dos setores de transporte, agropecuária, comércio e turismo, além de segmentos da indústria em geral aos postulantes ao governo da Bahia nas eleições deste ano, no início de agosto. Acrescenta-se como demanda comum aos diversos setores a questão tributária. 


A observação das questões, como mostra Mauro Pereira, do Comitê de Fomento Industrial de Camaçari (Cofic), já produziu resultados concretos na Bahia. Ele conta que, no primeiro governo do agora senador Jacques Wagner (PT), a construção de uma agenda entre governo e as empresas permitiu uma expansão de investimentos no Polo Industrial de Camaçari entre 2007 e 2009. “A gente tinha preparado o Polo e foi também quando deu um avanço mundial. Nós viramos a bola da vez, algo que depois se perdeu”, pontua.  


Segundo Pereira, na ocasião, as pautas essenciais foram o custo da matéria-prima e da energia, a infraestrutura – estradas, o modal ferroviário e as questões portuárias –, a isonomia tributária e a qualificação de mão de obra, demandas que permanecem vigentes, em maior ou menor grau. 


“Uma empresa de qualquer lugar, seja São Paulo ou de Minas Gerais, até mesmo do exterior, vem para cá e vai tentar a conquista do mercado. Ela vai ter que ser competitiva. E para isso tem que ter estradas”, exemplifica Pereira. À época, segundo ele, também fora pontuada a situação da infraestrutura interna do Polo de Camaçari, que ainda hoje continua deteriorada dada a falta de manutenção. 


“A gente precisava atrair projetos para cá, atrair novos investimentos. Tem que ter essa preparação desses jovens que vão trabalhar nos grandes projetos, de maneira que a empresa chegue aqui e encontre esse pessoal preparado. A gente tinha e continua tendo essa deficiência. Já que a gente não tem uma política industrial, que a gente faça nossa própria política, olhando especificamente para seguimentos e região”, destaca. 


Marconi Oliveira, diretor-executivo da Pró-Cia, entidade que representa o Centro Industrial de Aratu (CIA), defende a necessidade de se modernizar os distritos para que eles se tornem cada vez mais atrativos para novos investimentos. Ele cita como exemplo do potencial o caso do CIA, uma área próxima a Salvador, principal metrópole do Nordeste, e de terminais portuários, rodovias e do Aeroporto Internacional. “Nós temos certeza de que a contribuição eu pode ser dada pelo CIA para o desenvolvimento da Bahia é muito maior do que a atual, mas para isso, nós defendemos a necessidade de um novo ordenamento. Precisamos de melhorias viárias, segurança, melhorias na estrutura de comunicação, porém o mais urgente é ter um novo planejamento”, destaca. 


Em relação à infraestrutura, Paulo Villa, diretor-executivo da Associação dos Usuários de Portos da Bahia (Usuport), defende a necessidade de melhorias em todas as áreas. Ele cita a necessidade da ampliação dos serviços portuários, mas lembra também das demandas rodoviárias e ferroviárias. Uma prioridade, aponta, é uma solução para a Ferrovia Centro-Atlântica (FCA). “Muito aquém das necessidades da Bahia”, frisa. 


Indústrias X mercado informal

Ao avaliar a elevação do desemprego no estado, Alex Gama, membro do Conselho de Economia da Bahia (Corecon-BA) e professor da Unifacs, destaca também a redução da participação das indústrias no PIB local, somado ao avanço cada vez maior do setor de serviços. “Na Indústria se tem empregos mais estáveis, com pessoas mais qualificadas e que passam mais tempo no mercado de trabalho. Já nos serviços, se tem alta rotatividade, com pessoas menos qualificadas e baixos salários”, explica. 


Ele lembra que a perda de participação da indústria também provocou o aumento dos índices de desemprego em outros locais, como no Rio de Janeiro (RJ), nos últimos anos. “Para mudar o cenário tem que atrair atividades produtivas industriais e melhorar a qualificação do mercado de trabalho”, completa. 


O professor também elenca como consequências da redução dos postos formais a “degradação do mercado de trabalho” e o surgimento do “falso empreendedor”. De acordo com o IBGE, os trabalhadores informais na Bahia representavam atualmente 53,1% de toda a população ocupada. 


“A pessoa não é empreendedora. Ela está sendo espoliada. Coloca seu carro, seus equipamentos para trabalhar, tem que comprar celular, computador para realizar o trabalho. A gente está passando uma fase própria do capitalismo, que provoca mudanças e afeta o mercado de trabalho como um todo. Não é algo só na Bahia. É nível mundial”, destaca. Segundo ele, as novas modalidades de trabalho que poderiam ser um complemento de renda tem se transformado na atividade principal em função da falta de alternativa.


Colaborou Donaldson Gomes - O Correio 24h

Comentários

Nome

ACM NETO,3,ANTÔNIO GONÇALVES,2,BAHIA,153,BRASIL,126,CALDEIRÃO GRANDE,1,CAMPO FORMOSO,2,CAPIM GROSSO,1,CURIOSIDADES,118,DESTAQUES,291,ENEM,1,ENTRETENIMENTO,83,ESPORTE,139,FAMOSOS,4,FILADÉLFIA,9,ITIÚBA,2,JACOBINA,2,JAGUARARI,1,MUNDO,2,MUNICÍPIOS,84,NOTÍCIAS,567,PINDOBAÇU,3,PODC PODCAST,16,POLICIAL,354,POLÍTICA,2,PONTO NOVO,331,PUBLICIDADE,7,REGIÃO,4,SENHOR DO BONFIM,6,VARIEDADES,1,VÍDEOS,134,
ltr
item
Agência DC - Donato Costa | Portal de notícias da Bahia: Com mais de 1 milhão sem trabalho, Bahia lidera ranking do desemprego
Com mais de 1 milhão sem trabalho, Bahia lidera ranking do desemprego
https://blogger.googleusercontent.com/img/b/R29vZ2xl/AVvXsEjvto8Sur0bRSnuirBJfAqyiiuVDa_9BP-0atb4VUjEXekIGahYNALv7fgTzFbn4eYhKf3fAr2SLflIvkPIiPi1TD7OWsGw2wDEgG7m6pjJurSsimQdf_trf2M2ic5IgBqL8y6sozmhmNjaXcKrO9tUIymxrHnFPKuH9JuUO6q0cm1XZYkOnsuPjUc3Ig/s16000/csm_Fechamento_da_Ford_Foto_Tiago_Caldas_Arquivo_CORREIO_ad21146af6.jpg
https://blogger.googleusercontent.com/img/b/R29vZ2xl/AVvXsEjvto8Sur0bRSnuirBJfAqyiiuVDa_9BP-0atb4VUjEXekIGahYNALv7fgTzFbn4eYhKf3fAr2SLflIvkPIiPi1TD7OWsGw2wDEgG7m6pjJurSsimQdf_trf2M2ic5IgBqL8y6sozmhmNjaXcKrO9tUIymxrHnFPKuH9JuUO6q0cm1XZYkOnsuPjUc3Ig/s72-c/csm_Fechamento_da_Ford_Foto_Tiago_Caldas_Arquivo_CORREIO_ad21146af6.jpg
Agência DC - Donato Costa | Portal de notícias da Bahia
https://www.agenciadc.net/2022/09/com-mais-de-1-milhao-sem-trabalho-bahia.html
https://www.agenciadc.net/
https://www.agenciadc.net/
https://www.agenciadc.net/2022/09/com-mais-de-1-milhao-sem-trabalho-bahia.html
true
5764102596251995075
UTF-8
Carregar todas as matérias Nenhum resultado encontrado. Ver mais Leia mais Responder Cancelar resposta Apagar Por Início Páginas Matérias Ver todas Veja também Tópico Arquivo Buscar Todas as matérias Nenhum resultado encontrado para sua busca Voltar ao início Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Agora mesmo Há 1 minuto Há $$1$$ minutos Há 1 hora Há $$1$$ horas Ontem Há $$1$$ dias Há $$1$$ semanas Há mais de 5 semanas Seguidores Siga ESTE CONTEÚDO PREMIUM ESTÁ BLOQUEADO PASSO 1: Compartilhe em uma rede social PASSO 2: Clique no link da sua rede social Copiar todo o código Selecionar todo o código Todos os códigos foram copiados para a área de transferência Não é possível copiar os códigos / textos, por favor, pressione [CTRL] + [C] (ou CMD + C com Mac) para copiar Table of Content